QUEM?: Black Box Recorder

BlackBoxRecorder

A história da Black Box Recorder pode ser resumida assim: Luke Haines (ex-The Auters) juntou-se a John Moore (ex-Jesus and Mary Chain) e formaram a banda. Em seguida, convenceram a vocalista Sara Nixey a entrar na empreitada com a promessa de torná-la famosa.

Em maio de 98 lançam seu primeiro single, “Child Psychology”, cujo tema é uma garotinha que não consegue se ajustar ao mundo em que vive. Para uma banda de proposta pop, o refrão é bem pesado: “a vida é injusta, se mate ou supere”, razão pela qual foi banida das rádios inglesas.

segue-se o lançamento de seu primeiro álbum, “England Made Me”, onde se sobressai a fina ironia ou melancolia das letras, com críticas à sociedade inglesa, e arranjos intimistas que combinam perfeitamente com os vocais sedutores de Sarah. É perceptível também a influência de trip-hop na sonoridade da banda.

Dois anos depois, já na gravadora Nude, é lançado “The Facts of Life”, que consegue a melhor posição na parada inglesa para o trio. O álbum apresenta a banda lidando com atmosferas mais climáticas e sofisticadas que em sua estréia, aproximando-se ainda mais do formato trip-hop, com menos guitarras e, de alguma forma, mais pop. Quanto às letras, continuam cheias de ironia e cinismo, cortesia de Luke Haynes. O álbum consegue emplacar o single “The Facts of Life” no Top 20 da parada britânica, a melhor posição conseguida pela banda durante sua carreira. Mas o que poderia ser o início de alguma ascensão no cenário pop é na verdade o começo do fim, segue-se um silêncio de três anos, entrecortado pela coletênea de b-sides “The Worst of Black Box Recorder”.

Problemas com a gravadora atrasam o lançamento do pouco inspirado “Passionoia”, onde pouca coisa faz lembrar aquela interessante banda do álbum de estreia, talvez a voz sempre atraente de Sarah. Segundo Haynes a ideia foi acelerar o som da banda, para isso adicionaram batidas eletrônicas. Há alguns lampejos criativos, como na ótima “British Racing Green” ou no trip de “When Britain Refused to Sing”.

Embora não tenha sido anunciado oficialmente o fim da banda, seus integrantes tocam suas carreiras solo e até o momento não há nenhuma notícia de uma reunião.

+DISCOGRAFIA: England Made Me (1998), The Facts of Life (2001), The Worst of Black Box Recorder – Coletânea (2001), Passionoia (2003)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s