MUSIC NON STOP: Diego & Action Beat

Diego – Two (2008)

Uma banda alemã chamada Diego é deveras inusitado, não!? Seria em homenagem a Diego Maradona? Com o tempo talvez venhamos a saber. Aí você se pergunta: e eles tocam que tipo de som? Saca Joy Division? Interpol? Editors? Traduzindo, Joy Division visto pela ótica dessas duas bandas, quer dizer, embora em seu álbum tenha até uma música chamada Isolation (mesmo nome de uma canção do Joy Division), no fim eles acabam soando como (desculpem a frase infame) a resposta alemã ao Interpol e ao Editors, e me soam mais interessantes, mas não tão bailáveis, que os ingleses do White Lies. Seu segundo álbum “Two” [2008] consegue rodar aqui tranquilo da primeira à última faixa, mas com a velha pulga atrás da orelha me dizendo: “não seria melhor você pegar seu Unknown Pleasures ou Closer?”. Mas até que o som dos alemães consegue chamar alguma atenção com seu clima de tristeza pré-fabricada. De qualquer forma, se fossem ingleses certamente receberiam mais atenção do que os hypados do White Lies. E como a voz lembra a de Tom Smith (Editors). Rende Algumas audições.

+ Site da gravadora
+ Site oficial

Action Beat – The Noise Band from Bletchley (2008)

+ O mundo da música tem suas ironias, enquanto bandas como Blood on the Wall são saudadas como descendentes legítimas do barulho de guitarras de outrora, praticado pelo Sonic Youth, esse conglomerado (são sete integrantes, mas ao vivo há convidados) inglês passa completamente despercebido, apesar de sua música deixar bem clara sua intenções caóticas e ruidosas na melhor tradução e herança da banda novaiorquina. “The noise band from bletchley” é um petardo sonoro quase todo instrumental perpetrado por três, quatro, cinco guitarras cheias de raiva e dissonâncias que não dá descanso aos ouvidos, na legítima tradição do que um dia se chamou guitar-band. Ao vivo eles chegam a utilizar até quatro baterias e suas apresentações são uma espécie de jam alucinada. Espere todo mundo sair de casa, afaste os móveis, aumente o som e prepare-se para muito air-guitar, balanços de cabeça e zumbidos no ouvido, enquanto fica intrigado como uma banda consegue fazer um som assim em pleno 2008, coisa que nem os “titios” já não fazem de forma tão visceral. E viva o barulho!

+ MySpace da banda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s