MELHORES ÁLBUNS DE 2009

Assim como em 2008, em 2009 o Lovenomore fez a sua lista de melhores álbuns do ano, quer dizer, cada um dos que escrevem aqui no blog fez a sua lista. Eu (Luciano), Eduardo e Ângelo (Z@ngelus), após passarmos o ano ouvindo discos e mais discos, sintetizamos em apenas dez (trabalho difícl e cheio de remorso) álbuns o que de melhor foi lançado no ano. Claro, se a lista fosse maior muitos outros álbuns entrariam, e é aí que entra o remorso, a sensação de que esse ou aquele álbum poderia entrar na lista se ela fosse mais extensa. Há alguns pontos concordantes nas listas, mas a unânimidade foi o Wild Beasts, com dois primeiros lugares e um quinto. Alguns concordarão, outros discordarão dos álbuns contantes em nosas listas, para ambos a nossa sugestão é: “deixe seu comentário”. Finalizando, o Lovenomore entra em recesso hoje e só retorna no início de 2010. Boas festas a todos e que 2010 seja mais um ano com paz, saúde e… boa música, é claro.

:::

Melhores de 2009 – Por Luciano

1 – Wild Beasts – Two Dancers
2 – Fanfarlo – Reservoir
3 – Noah and the Whale – First Days of Spring
4 – Sunset Rubdown – Dragonslayer
5 – The Fatales – Great Surround
6 – Animal Collective – Merriweather Post Pavilion
7 – Grizzly Bear – Veckatimest
8 – The Mary Onettes – Islands
9 – Burnig Hearts – Aboa Sleeping
10 – Intuit – Ramona Falls

COMENTÁRIOS: Esse foi talvez o ano mais difícil pra fazer um Top 10 nos últimos tempos, não por falta de bons álbuns, pelo contrário, há vários bons álbuns que poderiam constar aqui, mas acabaram ficando de fora, tipo: Durutti Column, o Elephant Stone (que fez um álbum muito bonito, bebendo na fonte britpop), The Fauns, Piano Magic, A Shoreline Dream, The Veils, Cymbals Eat Guitars, Greater California, Twilight Sad, Odawas, Piano Magic, The Pains of Being Pure at Heart, Telepathe, Epic45, Odawas. Por outro lado, bandas já estabelecidas como Depeche Mode, Placebo, Echo and the Bunnymen, deixaram a desejar. O Editors, Franz Ferdinand e The Decemberists foram outros que tinha expectativas, mas que não se concretizaram. O revival pós-punk também não trouxe nada de substancial seja com o White Lies, Decorate Decorate ou Project: Komakino.

Sobre a lista, as cinco primeiras posições não houve dificuldade de definir, a primeira muito menos. Há muito um álbum não me encantava tanto quanto o “Two Dancers”, do Wild Beasts. Só pra se ter uma idéia, “Two Dancers” me fez voltar a usar meu MP4: “All King’s Men” está entre as melhores canções de 2009. “Reservoir”, do Fanfarlo, também foi uma paixão. Noah and the Whale começou assustando, principalmente pela enorme melancolia em suas canções lentas, de instrumentais simples, mas com arranjos soberbos. Já o Sunset Rubdown aconteceu uma coisa inusitada, fiquei por dias tentando escrever uma resenha sobre o álbum e não consegui. Não é um álbum fácil, mas é um indie-rock tão vigoroso e detalhista que impressiona. O The Fatales fez um álbum que começa com três faixas fantásticas, causando já a rendição. O Animal Collective criou uma massa sonora tão incrível e difícil de entender que requer diversas audições, num disco atemporal e a ser falado ainda daqui a alguns anos. O Grizzly Bear e o Ramona Falls são dois álbuns de uma riqueza musical e coesão estupendas, poucas vezes vista esse ano, não poderiam ficar de fora. O The Mary Onettes não mudou muito e não trouxe nada de novo, mas “Islands” é um álbum em que todas as canções poderiam ser lançadas separadamente como singles; e o Burning Hearts, que foi um dos que ouvi primeiro esse ano, é uma coleção de belas melodias assobiáveis.

:::

Melhores de 2009 – Por Z@ngelus

1 – Wild Beasts – Two Dancers
2 – Cinnamon Chasers – A Million Miles From Home
3 – Inverness – Forest Fortress
4 – Atlas Sound – Logos
5 – Arthur And Martha – Navigation
6 – Elephant Stone – The Seven Seas
7 – Camera Obscura – My Maudlin Career
8 – Hope Sandoval & The Warm Inventions – Through The Devil Softly
9 – The Flaming Lips – Embryonic
10 – Oblisk – Weather Patterns

COMENTÁRIOS: Fazer escolhas, principalmente do que é melhor, é algo muito complicado, particular e ao mesmo tempo relativo. Neste caso, o sentimento + nº. de audições prazerosas + análise do trabalho musical determinaram as escolhas feitas. O Wild Beasts mereceu o 1º lugar por apresentar neste ano de 2009 um trabalho mais “original” e diferenciado da maioria das produções atuais, com boa qualidade musical! O Cinnamon Chasers nos brindou com um excelente álbum de música eletrônica, que corre solto e delicioso de se ouvir! O Inverness com seu trabalho de clima suave e delicado, garantiu a medalha de bronze! O Atlas Sound apresentou um álbum que foi um verdadeiro caldeirão musical, com bons climas e uma pitada de experimentalismo! Arthur And Martha também fizeram um interessante trabalho eletrônico, com boas influências do Kraftwerk! Quanto ao Elephant Stone, Luciano resumiu bem: “… belas melodias com influências sessentistas, alguns elementos psicodélicos e momentos do melhor power-pop!”. Camera Obscura mais uma vez marcou presença com mais um ótimo álbum de belas melodias e belos vocais (várias repetições no meu mp3 player!). Hope Sandoval retornou em plena forma, com um excelente e enxuto trabalho indie-folk! “Embryonic” do The Flaming Lips, foi a melhor “crazy trip” do ano! Entre as bandas que sofrem influência do Joy Division, o Oblisk foi a que melhor soube processar isso e fazer um interessante álbum! Como dito anteriormente, fazer escolhas é algo bastante complexo! Por conta disso, não poderíamos deixar de citar os excelentes EP’s do ano: Oh Minnows – “Might”, The Mary Onettes – “Dare”, Amusement Parks On Fire – “Young” e The Isolation – “The Isolation”. Ainda o Pet Shop Boys em plena forma e surpreendendo com “Yes”. Vib Gyor com seu excelente trabalho indie-pop “We Are Not An Island”. O Wry, banda nacional, marcando presença com “She Science”. O SPC ECO trouxe o melhor do dreampop (estilo que curto muito) com “3-D”; entre tantos outros que tiveram um brilho especial neste 2009!

:::

Melhores de 2009 – Por Eduardo



1 – Ramona Falls – Intuit

Um disco que usa e abusa do que a sonoridade da música aprontou até hoje. Um elenco de 35 instrumentistas na elaboração da obra, músicas arrasa-quarteirões como ‘I Say Fever’ e um álbum que a cada momento entrega uma surpresa são os motivos da primeira posição. Algo que teima em sair do seu player – nos dias atuais – precisa (deve) merecer um bom lugar.

2 – Dead Man’s Bones – Dead Man’s Bones
Ryan Gosling é um ator canadense, fez um dos discos mais ousados e estranhos (a estranheza no sentido da positividade, claro) deste ano. Inseriu tons fúnebres/tétricos, chamou um coral de crianças em sintonia com as melodias, adicionou pianos, fez um disco que engana o ouvinte mudando a cada trecho. Não só para o Halloween, um disco para qualquer estação do ano.

3 – Marissa Nadler – Little Hells
A voz serena, a paixão pelo canto e pela arte, um violão, bases minimalistas, letras amargas sobre o universo feminino (mas sem soarem feministas demais) e monta-se o disco mais simples, porém um dos melhores de 2009.

4 – The Very Best – Warm Heart of Africa
Quando outros estilos (o próprio pop-rock, melhor dizendo) se juntam aos ritmos que vinham desde a época de 70 no continente africano, quer seja em Benim ou na Nigéria, sempre vem algo impressionante, inquietante e desbravador. Música que ultrapassa estilos, barreiras e a geografia de qualquer lugar.

5 – Wild beasts – Two Dancers
Disco obrigatório na lista de todo mundo que tem ouvidos atentos para a música. As guitarras dedilhadas, os arranjos, os refrões e os vocais deixam o ouvinte navegando em ondas infinitas de emoção.

6 – Animal Collective – Merriweather Post Pavilion
Estilhaços apontam para vários lados, vários fragmentos se descolam apontando diversos estilos. Psicodelia, folk, eletrônico, a música tribal, tudo multifacetado para elaborar uma obra enigmática e caleidoscópica. Como um quebra-cabeça que funde nossos cérebros, você precisa montar as peças para contemplar o resultado. E este é fenomenal e dura por muito tempo.

7 – Odawas – The Blue Depths
Música que traz influência de trilhas sonoras dos filmes de nossas vidas, paisagens campestres, um pé na eletrônica (sem se apoderar dela) e que identifica uma banda madura e segura de si.

8 – Grizzly Bear – Veckatimest
Da lista, talvez o disco que mais necessitou de minha compreensão. Inúmeras audições. E dessa forma, algumas obras merecem destaque só por este motivo. Edward Droste e sua turma criam um mosaico gostoso de se decifrar, que com o tempo parece ficar melhor.

9 – Fanfarlo – Reservoir
Simon Balthazar tem uma voz que passeia fácil pela música frágil/dócil como trafega em sonoridades mais aceleradas. O primeiro ponto a favor do Fanfarlo. Some a isso uma banda nova, com fôlego. Mas do que isso, um grupo para se observar no futuro.

10 – The Phantom Band – Chackmate Savage
O país que já legou ao mundo bandas do naipe de Simple Minds e do Belle And Sebastian agora nos deixa uma pérola onde fica difícil traçar parâmetros/fronteiras sonoras.

MAIS COMENTÁRIOS: Para os apreciadores da boa música, não há muito que reclamar de 2009. Os suecos do The Mary Onettes e do Hearts Of Black Science voltaram com discos agradáveis e cumpriram a promessa dos álbuns anteriores. Outros suecos (esses mais desconhecidos) que vieram promissores foram os músicos do grupo Fontan (confira ‘Winterhwila’). The Twilight Sad continuou com suas guitarras soterradas sobre letras amargas e também fez bonito com o novo rebento. Da parte dos eletrônicos, também não ficamos na falta. O Royksopp se estabiliza como uma dupla com algo muito mais do que apenas ‘filhos do Air’, o Clark com seu ‘Totem’s Flare’ veio trazendo sons que para os mais desavisados seriam ‘música de Nintendo 8 bits’ (mas, cuidado, é muito mais do que isso!), Zémaria, um trio de eletrônica – orgulho de nós, capixabas – trouxe ‘The Space Ahead’ e está fazendo bonito também na Europa. A nota lamentável é a morte de morte de Charlie Cooper (31 anos) da dupla Telefon Tel Aviv. O TTA perdeu um de seus mentores, mas fez um dos discos mais bonitos do ano, ‘Immolate Yourself”

O folk – na minha opinião – não trouxe tantas novidades como 2008. Bandas boas sim ainda lançaram discos para encher os ouvidos. Ola Podrida e seu ‘Belly Of The Lyon’ foi um belo exemplo de como ainda se fazer um disco convincente do estilo. E as bandas que trazem os anos 80 em sua verve? Estiveram lá. Além das já citadas suecas no início do texto, ainda temos o Arthur And Martha (‘Navigation’) e o Burning Hearts (‘Aboa Sleeping’). O Editors, tão criticados por seguirem a escola pós-punk, e de serem mais filhos bastardos do Joy, vieram com um disco (não, aquilo não é cópia do Depeche Mode, por favor!) bem composto, com melodias grudentas (já resenhado aqui).

NY, cidade que sempre trouxe boas sonoridades, e nesta década não fez diferente, continuou com essa índole e apresentou o Bear In Heaven (‘Beast Rest Forth Mouth’) e o Dodos voltou com potência máxima (‘Time To Die’ apesar de menos tribal que o anterior ‘Visiter’ , é fenomenal da mesma forma).

Assim foi o resumo de 2009, música para agradar em cheio os ouvintes.

9 pensamentos sobre “MELHORES ÁLBUNS DE 2009

  1. Chico, você nos conhece e sabe que ouvir música é o nosso maior hobby, não da forma que ouvíamos antes, claro, mas a música continua fazendo parte de nossa vida e muito. Obrigado pelas palavras e esteja sempre à vontade aqui no Lovenomore,a casa também é sua.

    Curtir

  2. Fico feliz em ver este tipo de iniciativa. Todos temos os mesmos problemas como a “falta de tempo” e mesmo assim pessoas como vocês se desdobram para garimpar e ouvir e ainda selecionar seus favoritos. Uso a dedicação de vocês como parametro para minhas audições, obviamente não tendo o mesmo prazer que vocês tem, mas confio em seus ouvidos e opiniões o suficiente para não ter receio das vossas escolhas.

    Um ótimo final de ano para todos e que tenhamos um 2010 com mais gratas surpresas que o 2009.

    Curtir

  3. O legal das listas é q vc acaba observando q nem td mereceu a devida atenção q deveria ter ou passou batido ficando no limbo do desconhecimento; mas aí as listas chamam a atenção para alguns trabalhos e vc tem a oportunidade de “corrigir os erros cometidos”; afinal de contas, com a internet, o (acesso) universo musical nunca foi tão enorme e, consequentemente, a quantidade de bons trabalhos produzidos tb!

    Curtir

  4. Bela lista, Cristiano. No TOP10 concordamos apenas com o Wild Beasts. O Piano Magic fez um disco lindíssimo, mas muito calcado no Dead Can Dance (que eu adoro), e com a luxuosa participação do Brendan Perry, uma das vozes mais profundas da música pop. Por sinal, quanto mais listas a gente vê mais coisas a gente descobre que deixou passar batido. Culpa da net.

    Curtir

  5. Obrigado Patrícia. Dei uma olhada na tua lista (extensa hein!), muita coisa boa. Sou frequentador assíduo do /stay_beautiful, embora comente pouco. Ótimas festas pra você também.

    Curtir

  6. ah! que delícia ver essas seleções aqui!
    eu me identifico demais com a lista do eduardo: odawas, ramona falls, the very best… dead man’s bones! todos entre meus favoritos tbém!
    parabéns pelo bom gosto!

    e 2009 foi o ano que o pitchfork entregou o jogo logo no início!
    bom demais ter essas variações aqui!

    beijos e até 2010!
    ótimas festas a todos!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s