TV ON THE RADIO – Nine Types Of Light (2011)

Pela segunda vez, sou surpreendido pela morte de um integrante de banda cuja resenha eu redigia. Na primeira, foi quando escrevia sobre o ‘Immolate Yourself’ (2009) do Telefon Tel Aviv (a morte de Charlie Cooper). E agora, no meio do texto sobre o novo álbum desse quinteto de NY, sou avisado sobre a morte de Gerard Smith, baixista do grupo.

Claro que isso não afeta em nada meu texto. Até mesmo porque ‘Nine Types Of Light’ já tinha causado um efeito devastador na minha pessoa. O adjetivo empregado anteriormente tem aqui um efeito positivo: não a devastação/destruição física do ser/corpo, e sim, a série de sensações que uma obra de arte pode trazer aos seus sentidos e que ficam perdurando em seu consciente.

Esclareço logo que NTOL não traz mudanças da banda. E elas nem precisavam ser feitas. Tv On The Radio sempre faz música para virar hit do ano e para tocar em qualquer lugar sem o mínimo de estranhamento, exemplo de ‘Will Do’, como também sabe manter traços dos seus primórdios, lá dos discos iniciais, para tanto confira ‘Caffeinated Consciousness’. A melancólica ‘Killer Crane’ tem resquícios saudáveis de ‘Family Tree’ (do disco ‘Dear Science’, 2008). ‘No Future Shock’ e ‘Repetition’ trazem os furiosos instrumentais da banda e letras substanciais com todo a verborragia inconfundível de Tunde Adebimpe e Kip Malone.

Além do mais, toda a carga sonora da banda e aquela sensação de não ter uma referência definida, uma sonoridade transitando entre várias décadas de música estão ali: Sly And The Family Stone, Prince, Funkadelic Parliament, Pere Ubu, Public Image Ltda. Influências que o quinteto carrega consigo desde o surgimento e que não tem vergonha de assumir. Fato esse que engrandece um grupo – a meu ver – uma vez que fica quase impossível de situá-lo num lugar comum, defini-lo numa classificação/tag precisa.

Tv on The Radio se consolida como uma das bandas mais influentes/importantes dessa nova era (falando precisamente de 2000 até os dias atuais). A nível de um Arcade Fire ou de um Radiohead, mais um exemplo de banda que começou anônima e já alcançou inúmeros fãs pelo mundo. Não apenas fãs, adquiriu respeito, história, experiência e maturidade, legando belos momentos aos seus ouvintes.

Conheça a banda/ou saiba mais:
Allmusic

Site Oficial

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s