PULP – It (Expanded Remastered Reissue), 2012

ANTERIORES:
+ LITTLE CHORDS – Afterlife (2012)
+ ANDREW BIRD – Break It Yourself (2012)

Sempre tive a noção de que discos remasterizados/relançados, ou mesmo aqueles que se constituem em edições comemorativas (edições de aniversário, por exemplo), se tratam de caça-níqueis da gravadora. Em contrapartida, faz a gente conhecer um outro lado da banda, ou mesmo, seu início ou um trabalho mais ignorado pelo ouvinte.

Eu, por exemplo, achava que o Pulp não era tão antigo assim. Acessando o Allmusic depois que ouvi esse álbum, observei que a fundação da banda consta como 1978. ‘It’, o disco em questão, é de 1983. Claro, para quem conhece a banda a partir do ‘Different Class’ (1995), vai se estranhar, porém, nem tanto. Ainda sobre a penumbra da New Wave 80’s ou mesmo do pós-punk, os ingleses já mostravam identidade e senso apurado para belas composições, além de engatilharem um prenúncio da grande banda que viriam a ser na atualidade.

A maravilhosa ‘My Lighthouse’ poderia muito bem estar no disco clássico de 1995, e já dá mostras do versátil crooner que Jarvis Cocker se tornaria, como também comprova a facilidade que a banda tem em gerar clássicos de pop-rock para sair cantarolando nas ruas. A atenção com as letras criando histórias comuns de nossas vidas, falando de relacionamentos amorosos e por vezes carregadas de sensualidade (outra característica comum da banda) faz-se presente com a climática ‘Blue Girls’. A inusitada ‘Love Love’ é praticamente uma mistura de Beatles, vaudeville e ragtime. ‘Please Don’t Worry’ é a que mais se aproxima das influências de bandas como Felt e de Orange Juice.

A presença da variedade instrumental e do enriquecimento das canções já eram típicos dos ingleses: sintetizadores, guitarras, backing vocals, órgãos farfisa, pianos, sopros, percussão afiada, linhas memoráveis de baixo. Elementos esses que estão aqui e que depois foram aperfeiçoados tornando o grupo, principalmente, um dos expoentes dos anos 90 (apesar de ser errado em taxá-los de geniais somente na fase áurea do britpop).

Na verdade, um relançamento importante, porque o Pulp é sim um grupo de importância. Jarvis e companhia não merecem o título de ‘ícones do britpop’, merecem muito mais. Precisam ser investigados em cada álbum lançado, em cada momento de sua história. Depois de quase 30 anos, quem diria, um grupo que mudou, em certa parte, o nosso modo de perceber a música (ou gostar mais dela). A conquista de muitos fãs não por acaso, e sim, por talento e dedicação (qualidades essas já visíveis em 1983).

Observação:
Essa cópia especial de ‘It’ traz duas músicas bônus, um mix alternativo de ‘Blue Girls’ e uma versão de ‘My Lighthouse’ que saiu no single da banda.

Wikipedia

Facebook

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s