SONS EXÓTICOS: Santigold

ANTERIORES:
+ Evangelicals
+ The Very Best

Assediada por nomes musicais como Mark Ronson e Diplo, Santigold vem se tornando notória desde 2008 quando surgiu com ‘Santogold’. Neste ano de 2012, através do lançamento de ‘Master of My Make-Believe’, a cantora consegue – de vez – cair na graça dos ouvintes e participou até de grandes festivais como o Coachella desse ano. Santi White é o nome dela. Já foi produtora, empregada da Epic Records e até vocalista de banda punk nova-iorquina chamada Stiffed. Uma pessoa já ligada ao universo da música, por assim dizer.

Há um certo charme exótico nas canções de Santigold, apesar de que hoje em dia a cantora consiga emplacar hits certeiros como ‘L.E.S Artistes’ (D1), ‘Disparate Youth’ (D2) e ‘This Isn’t Our Parade’ (D2) que tocariam facilmente numa rádio FM. Mas, a diferença de suas composições se deve ao fato do leque multifacetado que elas alcançam. Bebem tranquilamente da sonoridade 80’s e de grandes grupos como Siouxsie & The Banshees, The Go-go’s e Blondie, como também se utiliza da sonoridade atual de outros grupos/artistas com um ar de exotismo (M.I.A., Gang Gang Dance e Dengue Fever).

Não bastasse isso, encontramos nos dois discos muitos gêneros presentes ou se entrelaçando. Com uma quedinha para o ska e chocando com o punk tradicional, com riffs de guitarra memoráveis, ela arrisca belos momentos como ‘You’ll Find A Way’ (D1). ‘Creator’ (D1) fica num elo perdido entre o melhor rap que você tenha ouvido nestes anos com algo de um Chemical Brothers. A esquizofrênica ‘Freak Like Me’ (D2) é um electro-pop dançante. ‘Unstoppable’ (D1) apresenta uma sonoridade puxada um pouco para o reggae com doses de dub e funk.

Não falta o pop/rock adocicado, com aquele refrão grudento conduzido por guitarras bem dosadas e baixo elegante a exemplo de ‘Lights Out’ (D1). Nem o hip hop escapa ileso na atordoante ‘Look At These Hoes’ (D2). Sem medo de flertar com a sonoridade de outros países/continentes, é praxe Santigold fazer uso do tribalismo africano em músicas como ‘Fame’ (D2) e ‘Big Mouth’ (D2).

A internet ajuda artistas como Santigold a obterem um pouco mais de reconhecimento, e por conta disso, diria até que não seria tão mais apropriado considerar o som da cantora como tão diferente assim. Ainda mantenho o status de exótica pela questão dos gêneros que ela engloba, da diversificação, da falta de vergonha em experimentar e a cada canção surgir algo diferente. Ponto para Santi White e essa vontade de ousar.

Legenda para meu texto:
D1 = Música presente no disco ‘Santigold’ (2008)
D2 = Música presente no disco ‘Master Of My Make-Believe’ (2012)

Myspace
Facebook

Curta o vídeo oficial de ‘Disparate Youth’

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s