Considerações sobre cinema, séries e games em 2012

ANTERIORES
+ Considerações sobre música em 2012
+ 10 discos que mereceram minha atenção em 2011 (+ 10 de bônus)

CINEMA
2012 teve muita coisa boa no cinema, para todos os gostos. Porém, me dediquei muito aos filmes de 3 a 5 anos atrás (filmes que sempre tive intenção de ver e agora ficou tudo mais possível, como o exuberante ‘Incêndios’ de 2010). Não estou listando alguns filmes como ‘O Artista’, por exemplo, por considerá-lo de 2011. Outrossim, alguns filmes de 2012 verei apenas em 2013 – como de praxe – e que devo comentar ao longo do ano.


A Cabana na Floresta (The Cabin in the Woods, Drew Goddard)
O gênero terror andava meio mal, sem muitas histórias inovadoras, mas aí, eis que surge essa produção inteligente que faz uma ode à quase todos os filmes de terror que assistimos em vida. Em alguns lugares, o filme é traduzido como ‘O Segredo da Cabana’.


Poder Sem Limites (Chronicle, Josh Trank)
Um filme de super-heróis diferente. Super-heróis, não! Na verdade, temos aqui uma boa representação do que é lidar com poderes que não se pode compreender e de como o mundo vai suportar isso.


Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild, Benh Zeitlin)
Em meio à miséria, um lindo conto de fadas moderno. Melancólico, mas com leves (e inteligentes) toques de humor, junte a isso uma narrativa recheada de metáforas e de poesia.


Os Vingadores (The Avengers, Joss Whedon)
Até eu que era meio turrão para Capitão América e companhia, e nunca fui um fã exaltado de quadrinhos da Marvel, dou o braço a torcer: uma produção milionária com muita ação, reviravoltas e com Hulk esmagando – em grande estilo – Lóki. Não é cinema-cabeça, isso é cinema-pipoca (e preciso disso de vez em quando).

SÉRIES
O ruim de séries é que muitas param para retornar apenas no ano seguinte, o que para alguns espectadores, tira um pouco o impacto e o continuum dos episódios. Mas, de uma forma geral, é um formato que está me agradando muito e que rendeu bons momentos de diversão.


Boardwalk Empire
Uma temporada que deu mais carga dramática aos personagens. Um Nucky Thompson mais esperto e mais procurado do que nunca. Destaque para o personagem Richard Harrow que ganhou mais realce.


Breaking Bad
Uma pena essa quebra depois do oitavo episódio. Ficamos aflitos para ver qual o desfecho dessa última e estonteante temporada. Teria Walter White um destino ruim? Fora isso, os personagens nesta temporada estão mais trabalhados, o suspense reina e continuam os maravilhosos ganchos que seguraram a série desde a primeira temporada.


Game Of Thrones
Outra série que gera um pouco de polêmica entre os fãs. Claro que uma série nunca será tão fiel a um livro, mas há de destacar a super produção, os cenários, o elenco (encabeçado pelo sempre excelente Peter Dinklage) e aquele gostinho da próxima temporada porque tem mais gente chegando.


The Walking Dead
Muita gente reclamou, outros dizem que os quadrinhos ainda são melhores, mas há de convir que essa temporada está com mais ação e suspense. Aquele quarto episódio foi um dos mais bonitos (e tristes) de 2012.

GAMES
Eles surgem pela primeira vez aqui no Lovenomore. Justiça seja feita, faço isso pela questão de que muitos jogos ganharam um status tão importante quanto o cinema. Alguns são verdadeiras obras de arte, com enredos pra lá de surpreendentes. Só lembrando que optei por dar preferência a jogos de multiplataforma (PC, PS3 e Xbox 360), e não a uma plataforma específica apenas (jogo exclusivo de plataforma X, entenda-se).


Mass Effect 3
Já sei que vão xingar aquele final, que vão dizer que a trilogia terminou mal…eu penso exatamente o contrário. Uma história que vai crescendo e a gente vai pegando carisma pelos personagens, querendo investigar cada planeta. Depois de terminar o jogo, jogar pela segunda ou terceira vez nunca é demais, é sempre prazeroso.


Spec Ops: The Line
Ok, FPS geralmente nunca muda. Mas, o principal de ‘Spec Ops: The Line’ é sua narrativa, com direito a vários finais alternativos. Uma história épica, triste e que retrata de forma crua os horrores de uma guerra e de quem dela participa.


The Elder Scrolls V: Skyrim
‘The Elder Scrolls IV – Oblivion’, de 2006, já mostrava como a Bethesda faz seus jogos com tamanha profundidade e qualidade. Foi assim também com o pós-apocalíptico ‘Fallout 3’. O tipo de jogo que você, dentro de uma missão, consegue aceitar outra missão, e assim, com 60 horas de jogatina, está longe de aparecer o final e não descobriu nem metade do mapa do jogo e dos perigos que te esperam.


The Walking Dead, A Telltale Game Series
Parece que estamos jogando numa história em quadrinhos. Utilizando praticamente 4 botões, esse é um jogo interativo, inteligente e com uma narrativa tão boa quanto a série. Ahh, e cuidado com suas escolhas, pois elas podem alterar a linha narrativa do jogo.

CONCLUSÃO FINAL
Agradeço a todos que compartilharam mais um ano com a gente. Também agradeço ao Luciano Ferreira por me conceder esse espaço aqui no blog. Fico muito honrado de escrever aqui, e eu nunca consigo parar de ‘brincar’ com as palavras, a mais pura verdade.

E não fiquem nervosos como o Hulk, pois 2013 tem muito mais. Cinema, games, música, séries, novidades, cultura pop, tecnologia. Até!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s