CINEMA: Argo (Argo, 2012)

ANTERIORES:
+ La Guerre Des Boutons (A Guerra Dos Botões, 2011)
+ Beasts of the Southern Wild (Indomável Sonhadora, 2012)

Filmes como ‘Argo’ exigem muito mais do que as técnicas já conhecidas para se fazer cinema. Assim como ‘Milk’ (‘Milk, A Voz Da Igualdade’, 2008), é uma produção baseada num fato verídico e que precisa resgatar com a máxima fidelidade o que foi aquele momento da História. Quase numa espécie de documento histórico, é preciso uma boa adaptação tanto de personagens, como o que ocorreu naquele período. ‘Argo’ faz isso muito bem, tanto que acabando o filme, é necessário deixar os créditos para ver fotos comparativas dos momentos ou dos personagens que estiveram ali envolvidos.

A ideia do filme é genial (méritos do agente da CIA Tony Mendez que bolou o plano lá em 1980). O agente se faz valer da produção de um filme de ficção científica, que seria então rodado no Irã, para poder resgatar 6 reféns americanos que ali ficaram detidos. A princípio, Mendez não recebe muita confiança, é um tanto desacreditado, mas aos poucos recebe a aprovação para seu plano. Até então, para o agente especialista em resgatar pessoas, essa era a única alternativa viável.

‘Argo’ pode ser dividido em 2 partes (entendam como uma concepção minha, claro). Metade do filme consiste na ideia do plano, na parte política e mostra como os fatos aconteceram na época, logo, talvez os 50/60 minutos iniciais podem ser maçantes para alguns por tratar mais de diálogos e narrações históricas. A segunda metade cai para o suspense, um thriller psicológico de nos segurar na cadeira, angustiante a cada minuto, desde o resgate até os instantes finais. Aguarde por muita tensão e personagens à flor da pele.

Outro trunfo dessa película é fazer referências variadas a outros filmes como ‘Guerra Nas Estrelas’ e afirmar a importância e a influência do cinema em nossas vidas. Um filme que concorre a algumas estatuetas (como ‘Melhor filme’, por exemplo), mas que além disso, mostra um Ben Affleck barbudo tentando seguir por filmes mais sérios/amadurecidos e variar suas atuações como ator (vale lembrar que ele também foi o diretor). Para tanto, podemos até nos lembrar de Tom Hanks que a partir de ‘Philadelphia (1993)’ teve uma repercussão maior em sua carreira ganhando mais renome. A trilha sonora também merece destaque e o restante do elenco igualmente não fica pra trás, com a presença de Bryan Cranston (astro da série ‘Breaking Bad) numa atuação importante para o filme.

IMDB

Filmow

ATENÇÃO!
Só lembrando que devo sair de férias hoje e retorno em 15 a 20 dias com muito mais resenhas, inclusive com a do jogo Dead Space 3. Aguardem e obrigado pela leitura de vocês.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s