REEDITANDO: L’ennemi Intime (‘Na Mira do Inimigo’, 2007)

Anteriores:
+ Terror em Silent Hill (2006)
+ Gravenhurst – The Western Lands (2007)

Subitamente alguém pode imaginar: com tanta produção cinematográfica que já foi realizada sobre guerras, por quê se preocupar com mais uma? Ou o cinéfilo é um verdadeiro fã de filmes bélicos ou mesmo é aquele que assiste a tudo. Ainda pode haver algo que fuja dos clichês que geralmente assolam um gênero para fugir à essa regra e despertar a atenção do espectador.

Para o filme de Florent-Emilio Siri, o que chama a atenção é mostrar uma guerra que pouco é comentada, isso tanto em produções artísticas como em segmentos da mídia – televisiva, impressa, etc. O assunto abordado é a guerra entre franceses e argelinos (sendo que alguns eram próprios franceses morando no país). Na década de 50, a Argélia, colônia da França, procura sua independência, para isso, cria uma força civil intitulada FNL. Como resposta à ação dos Argelinos, a França representando sua prepotência envia ao país africano 500 mil soldados para combatê-los. Neste caso, aqui conseguimos fugir da já saturada Segunda Guerra Mundial e Guerra do Vietnam (motes tão comuns dentro do gênero).

Daí em diante, criado o clima do filme, é montado o que já se esperava: país em caos, homens a um passo da insanidade, atos de violência/atrocidade, o soldado mais irascível em contradição ao mais tolerante, falta de misericórdia com míseras crianças e mulheres, perdas de valores, de culturas e de vidas. Ou seja, conforme já havia expressado, nada difere do universo de outras películas que tratam o tema.

O que exatamente vai acentuar neste filme francês é a bela fotografia que realça o ambiente caótico e nos transporta exatamente para 50 anos atrás. Um cenário composto por montanhas e vilas interioranas. Pouquíssimas locações e podemos comprovar que esse é um filme de baixo orçamento. Um tom cinza e marrom impera no filme, e quase não há realce de cores – por exemplo, sequer vi algo com tonalidade azul. Há poucos efeitos especiais na película e houve um trabalho maior com os diálogos entre os soldados.

As cenas de violência também não são gratuitas e não buscam mostrar carnificina à-toa, algumas vezes elas são mostradas até por meio de fotos. Quando corpos são vistos na tela, o diretor tenta usar mais o lado poético, dando ênfase, na verdade, aos próprios rostos agonizantes dos franceses pela atrocidade que acabaram de cometer. Um belo exemplo é visto numa cena em que uma bomba napalm deixa um rastro de corpos carbonizados, e os franceses com olhares de dor e alguns até passando mal, observam o local e os cadáveres.

É na construção dos personagens que o longa ganha pontos valorosos. Um belo exemplo é o idealista tenente Terrien que vem substituir um tenente que acabara de falecer. Um mero desenhista industrial que entra na guerra por pura opção do voluntariado. Logo ao chegar, o mesmo é indagado pelo Sargento Dougnac se exatamente era isso o que ele queria. Esses dois homens, de patentes distintas, é que trarão à tona a dualidade do filme. Melhor dizendo: Dougnac é um veterano de guerra (já havia participado de outros conflitos envolvendo a França), por sua vez, Terrien é aquele homem novato na guerra que tenta ser complacente e caridoso ao máximo, que lembra da família, para depois mudar de índole e aceitar o fato de que guerras não têm humanidade nenhuma. O humano que se torna animal.

Numa hora do filme, um soldado inimigo segura um cigarro no meio e queima suas duas pontas. Na verdade, uma metáfora mostrando que fazer parte de uma guerra é como não ter como escolher o lado; como não ter para qual caminho fugir. E no meio de soldados orgulhosos contando batalhas passadas e mostrando cicatrizes de 74 pontos; ninguém ganha com isso. Inclusive, a própria França perdeu muitos de seus homens não impedindo que a Argélia se tornasse independente em 1962. Para os franceses, coube aceitar o reconhecimento da guerra apenas em 1999. Fatos de uma potência mundial que não aceita que perdeu uma antiga conquista sua.

IMDB

Filmow

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s