BECK – Morning Phase (2014)

ANTERIORES:
+ NOTHING – Guilty Of Everything (2014)
+ MARISSA NADLER – July (2014)

“Morning Phase” não possui a crueza vibrante de Mellow Gold (1994) nem a força criativa e experimental (fusões) de Odelay (1996) – Melhor álbum da carreira de Beck; mas é um interessante trabalho pontuado mais uma vez no folk e com belas baladas. Em 1998 ele quis dar uma reviravolta na sua carreira com o álbum “Mutations” (sucessor de “Odelay”), uma referência aos Mutantes, ao movimento tropicalista… Enfim, à música brasileira. Foi considerado um trabalho paralelo e sem maiores pretensões. Depois de seis longos anos sem nenhum lançamento, “Morning Phase” marca um bom retorno de Beck. A sonoridade pode até parecer simples, mas na maioria das canções podemos notar certa riqueza de detalhes (arranjos e elementos musicais). Confira bons momentos (que não são poucos) em “Morning”, “Heart Is A Drum”, “Blue Moon” (música bacana e de trabalho), “Unforgiven” (um dos pontos altos do álbum), “Wave”(com suas orquestrações), “Don’t Let It Go”, “Blackbird Chain”, “Turn Away”, “Country Down” (belíssima balada) e a derradeira e marcante “Waking Light” (Luz Desperta). Em alguns momentos o cantor/multi-instrumentista americano lembra um Elton John um pouco mais discreto e numa fase inspirada!

2 pensamentos sobre “BECK – Morning Phase (2014)

  1. O ‘Mellow Gold’ eu deixei passar, na época estava envolto em outras sonoridades. Tenho em CD original o ‘Odelay’ e o ‘Sea Of Changes’ que acho sensacionais pelo que aprontaram/ousaram, e por mostrar uma sonoridade variada, apontando para vários caminhos, com muitos instrumentos, enfim, daquele jeito que me agrada…são discos que ouço direto. Para dizer que não sou fã ferrenho do músico, muita coisa deixei passar, a propósito do ‘Mutations’. Esse vai para o HD, será apreciado com calma quando chegar o carnaval e minhas férias (muitos dias para fazer isso, hehe). Boa resenha de uma forma curta e bem concisa. Valeu, Ângelo!

    Curtir

  2. Até então só conheço por alto um projeto(?) dele com Eddie Vedder, que inclusive rola a faixa “Tropicalia”.
    Entendendo a boa resenha de críticas positivas como sugestão, vou dar atenção ao que tenho perdido numas pastas aqui e buscar o que citou.
    Gostei da menção à música brasileira. Acho que os melhores artistas são os que viajam(geograficamente) na música.
    []’s

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s